Blogger Widgets

[Resenha #136] Eona de Alison Goodman @galerarecord


Autora: Alison Goodman
Editora: Galera Record
Páginas: 490
 

Sinopse:
Ela já foi Eon, uma menina que se disfarçou de menino para se tornar uma aprendiz de Dragoneye. Agora ela é Eona, a Dragoneye Espelho e a salvação de sua nação. Mas Eona não é capaz de controlar seu poder. A cada instante em que tenta se conectar com seu dragão, o Dragão Espelho, Eona cria um elo com os espíritos dos dez dragões, cujos Dragoneyes foram mortos por Lorde Ido. Em meio a reviravoltas e muitas surpresas, Eona terá de provar que é mais forte que seu passado, e até mesmo que seu dragão.


Resenha:
 
Se preparem para uma resenha gigantesca, pois eu me empolguei nesse livro, que é simplesmente incrível!!! Vamos lá.

Eona começa logo após o fim do livro Eon. Eona revelou sua verdadeira identidade como mulher para membros da resistência, e Ryko está perto da morte. Desde que Eona foi capaz de curar a si mesma e ao Senhor Ido com a ajuda do Dragão Espelho, Lady Dela está convencida de que Eona pode salvar Ryko. Eona hesita em tentar uma vez que ela ainda é inexperiente e não sabe o que vai acontecer, especialmente considerando o fato de que chamar seu dragão tem sido difícil. Desde que 10 dos dragões perderam seus Dragoneyes, eles tem atacado Eona e o Dragão Espelho quando estão juntos. Eona mal consegue salvar Ryko, acaba tendo um pouco de ajuda do Senhor Ido, mas não sem conseqüências para ambos e para Ryko.

O esforço de curar Ryko a deixa inconsciente por alguns dias, e quando ela acorda eles estão a caminho para encontrar Kygo, o verdadeiro imperador. Eles o encontram, mas quando ele é informado da má sorte de sua mãe e irmão, ele fica furioso. A maioria das pessoas têm medo dele acabar morrendo, mas estão com muito medo de tentar detê-lo. Felizmente, Eona não tem escrúpulos e parte para a luta com suas espadas, apenas para descobrir seu antepassado Kinra, ele parece ter colocado um feitiço que a faz querer matar o imperador. Eona faz o que pode para remover esses impulsos (como não carregar suas espadas ou sua placa ancestral), mas ela tem que convencer Lady Dela para tentar decifrar o conteúdo do livro de Kinra para descobrir exatamente o que aconteceu todos esses anos atrás e por quê. Uma vez que eles recuperem o Senhor Ido, a única pessoa que pode ajudá-la a aprender sobre ser um Dragoneye, ela tem que descobrir se ele realmente mudou e pode ser confiável. Como ela se torna íntima de Kygo, ela também tem de decidir se quer ou não confiar nele - ele realmente se importa com ela ou ele só quer estar perto dela porque ela é a Dragoneye Espelho e, assim, sua única esperança de recuperar seu trono?

O que fez este livro se destar mais do que seu antecessor para mim foi que os personagens ficaram mais complexos, principalmente porque eles tiveram que agir em situações desafiadoras. E agora Eona tem muito o que lidar, ela tem que se ajustar com a vida como mulher e ser tratada como uma mulher, mas ela se comportou como um homem por tanto tempo que ela não sabe como se comportar de outra maneira. O  mundo que Eona vive é muito patriarcal, mas não é uma sociedade que ela entende, pois nunca ela realmente teve que ser uma mulher. Quando ela faz o papel de um homem, que inclui não ser passivo e tomar o que era dela e agora ela não sabe fazer mais nada. Além disso, ela está em uma posição bastante elevada, como a mulher mais poderosa do império, tanto como Dragoneye Espelho (o primeiro em cerca de 500 anos) e como uma conselheira do Imperador Kygo. Apesar disto, Eona está numa situação difícil. Ela pode parecer poderosa, mas se ela ainda não aprendendeu a dominar suas habilidades Dragoneye, ela não será útil para Kygo. Além disso, ela é muitas vezes colocada em uma situação delicada, onde ela tem que decidir se ela tem direito ou não de usar seu poder.

Os outros têm dificuldade em confiar em Eona porque ela mentiu para eles sobre ser um homem, a fim de atingir seu status como um Dragoneye. Alguns deles não se importaram que seu mestre fez isso ou então que ela teve que manter a farsa ou ser condenado à morte. Ela entende isso e tenta ser verdadeira - mas ela não é sempre. Eona ainda tem medo e se ela sente que se é necessário para sua sobrevivência reter algumas informações.

Eona não é o único personagem que eu achei que tinha melhorado muito desde o primeiro livro. Em Eon, achei que Senhor Ido era um vilão unidimensional, mas neste livro seu personagem foi muito melhorado. Seus motivos eram mais sombrios, bem como o quanto ele havia mudado desde que Eona o curou no último livro. Ele parecia mais como uma pessoa prática nesse, ele fez o que era melhor para ele, mas ele nunca pareceu sair de seu caminho para ser do mal só porque ele era um vilão. Se ele estava em seus melhores interesses para fazer algo, ele o faria. Para minha surpresa, encontrei-me querendo acreditar que ele tinha mudado tanto quanto Eona fez.

Há também mais sobre Kygo neste livro, e os seus próprios dilemas em ser uma boa pessoa, como seu pai queria que ele fosse e fazer o que fosse preciso para recuperar o seu trono. Eona vem travando uma batalha em confiar em Kygo e Ido, de quem parece confiável em alguns momentos e em outros não.

Eu realmente gostei de ler Eona ainda mais do que Eon. Mais uma vez, o foco da história está no crescimento pessoal de Eona durante um período turbulento. Considerando que Eon foca na construção de uma identidade, no entanto, Eona é tudo sobre a dinâmica de poder. Como um dos últimos Dragoneyes viva, Eona tem o poder de mudar a maré da guerra civil que se aproxima de seu país. Infelizmente, Eona luta não só para controlar esse novo poder descoberto, como também para decidir como ela deve usar seu poder. A visão de Kygo e Sethon no poder Dragoneye são opostos, por isso Eona fica oscilando precariamente no meio, sem saber se seus poderes são uma ferramenta para o país ou mais de um direito pessoal. Mesmo os personagens secundários encontram-se indiretamente dando a Eona seus conselhos de como seu poder deve ser usado.

Isso nos leva ao triângulo amoroso da história. Sim, tecnicamente há um, o que em si é um pouco surpreendente quando se considera como Eon terminou. Nenhum dos dois estavam dispostos a aceitar Eona como uma mulher, ou até mesmo como um outro ser humano. Esta visão francamente antipática e misógina de Eona continua a ressoar em todo o segundo livro, assim como os homens que tentam "ganha-la" para o lado deles.

A autora continua a aprimorar sua escrita com uma elaboração de nuances, personagens realistas. Nossa heroína Eona ainda tem muito a aprender sobre si mesma, tanto como Dragoneye e como mulher.
Para quem deve Eona pedir conselhos? Como ela pode saber o que é certo? Nenhuma dessas perguntas tem respostas fáceis, e, como Eona luta para descobrir o que as ações e crenças compõem o seu código moral, ela descobre como ela que a cada ação a leva a conseqüências maiores. Eona não é a heroína que tudo vem fácil, mas cada movimento dela deve ser uma mediação entre o que quer e o que é certo.

Complementando tal protagonista complexa, o livro tem muitos personagens secundários fortes. No primeiro livro, Kygo é retratado como o legítimo herdeiro do Império dos Dragões Celestiais, mas um pouco incerto de seus direitos e não estando pronto para tomar o poder. Ele está disposto a tomar muitas decisões difíceis e usar os outros para a sua vantagem, mas ele realmente parece acreditar que suas ações são para o bem maior.
Em certos pontos do romance acabei concordando mais com o ponto de vista de Ido que Kygo, e a tensão entre eles, com Eona como ponto focal, faz todo o sentido.

Alison Goodman dá conta do mundo de Eona ainda mais neste livro. Certos aspectos de Eon que foram ou negligenciados ou simplesmente dado como certo no grande esquema do primeiro romance estão agora à tona na sequência. Em vez de simplesmente aceitar a relação poderosa entre Dragoneyes e seus dragões, Eona começa a questionar suas origens. Através do segundo livro, Goodman mergulha um pouco sobre a história do Império dos Dragões Celestiais. Como Eona aprende sobre sua Kinra ancestral, ela e os leitores podem ver a história repetir-se, e como, em última análise esta guerra civil é simplesmente parte de uma luta muito maior.

O que distingue esta batalha de outras anteriores é o elenco de personagens. Eona vai se tornar outra Kinra, ou ela irá forjar seu próprio caminho? Mais uma vez, Goodman desafia seus personagens e leitores com questões complexas. Eona é uma conclusão bem escrita e satisfatória para a história do Eona. Esta é uma série que eu definitivamente vou voltar a ler outra vez. O duologia Eon deveria ser leitura obrigatória para todos os fãs de fantasia, jovens e adultos iguais.

O fim do livro encerrou o mistério do passado, como o porquê Kinra estava tão ansioso para dispor do imperador e como os dragões e Dragoneyes vieram a trabalhar juntos. Só ficou faltando apenas um pouco mais detalhadamente sobre o desaparecimento repentino dos Dragoneyes mulheres e como isso foi tratado de modo que foi essencialmente apagado do conhecimento histórico. Bem, no geral foi uma excelente conclusão para a história.

Foi um daqueles livros que eu não conseguia parar de ler e não conseguia parar de pensar. Ele me manteve até três horas da manhã, porque eu tinha que saber como ia terminar. Virou um livro favorito. Super recomendo!!! Você que curte fantasia tem que ler!!!


7 comentários:

  1. Nossaaaa.... Deu para sentir o quanto você gostou do livro! Adorei sua resenha. Dica mais que anotada. Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  2. Nossa amiga, caprichou na resenha mesmo em ??
    O livro parece ser bem legal, até porque eu gosto desse estilo de leitura. Aventura..meio Fantasia...Que tem dragões e tudo mais. Nossa...Parabens...fiquei boba com a sua resenha (Risos)

    Eu vou dar umas olhadas por ai pra saber mais do livro e quem sabe eu compro ele também. Hoje mesmo já comprei mais livro do que eu já tenho. Pior que n li nem a metade ainda hahahaha...mas enfim

    Mas esse livro é uma coleção ? Quais são eles ? Se você puder me passar eu agradeço. bjos

    lovereadmybooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá Michelle,

    Não conhecia esse livro e a sinopse me chamou atenção, mas a sua bela resenha me deixou super curioso, foi para a minha lista de desejados...parabéns pela resenha...abçs.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Isso é o que eu chamo de RESENHÃÃÃÃÃOOOOO.
    Perfeita. Eu tinha visto esse livro e o Eon, mas ainda não tinha dado o tcham. Agora deu foi até uma comichão, um siricutico também.
    Me apaixonei pela resenha!!!!
    Adorei tudo, principalmente o mundo de fantasia citado.

    Parabéns!!

    Alessandra Tapias
    http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Sua empolgação e a resenha enorme, mas que não deixa a atenção se desviar, me chamaram a atenção para Eona! Já está na lista de desejados do Skoob!
    Beijos,
    Vinícius - Livros & Rabiscos

    ResponderExcluir
  6. oiiii parabéns pela resenha!!!!
    bjs aproveita que esta rolando promo no blog:
    http://resenhasteen.blogspot.com.br/2013/03/promocao-anjo-de-quatro-patas.html

    ResponderExcluir
  7. Amiga quando puder dá uma passadinha em meu blog que tá cheio de novidades. Ahhh eu to fazendo uma limpa em meu blog. Se puder me dizer que está me seguindo agradeço, se n peço para que me siga, porque a maioria dos blogs que estao linkados estao e por isso estou pedindo a cooperação de todos. Enfim...beijinhos linda


    lovereadmybooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...