Blogger Widgets

[Resenha #188] Divergente - Veronica Roth @editorarocco


Divergente
Autor: Veronica Roth
Editora: Rocco
Páginas: 502
Ano: 2012
Classificação: 5 estrelas
Compre: Submarino

Sinopse:
Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções – Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição – e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto. A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é. E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.


Resenha:


Em um mundo devastado por falhas humanas de ganância, ignorância, mentiras, covardia e agressão desnecessária, uma nova sociedade surgiu. À beira do apocalipse, a humanidade se reorganizou em uma versão futura de Chicago, dividida em cinco facções que defendem e vivem por um valor de núcleo único. Aqueles que acreditavam que o mundo falhou por causa de mal-intencionados, a ganância egoísta formaram a facção de Abnegação, e juraram manter-se desinteressados e servir as necessidades dos outros. Aqueles que acreditavam que o colapso foi devido à ignorância comprometeram-se a ser da Erudição, sempre sedentos de conhecimento. Aqueles que achavam que a duplicidade humana e mentiras foram a causa das falhas do mundo assumiu a bandeira da Franqueza, comprometendo-se a sempre falar o que pensam e a verdade. Aqueles que se sentiram agressão e que o poder eram a raiz do colapso da sociedade tornaram-se os membros da Amizade, tendo o manto da paz a qualquer custo. E, finalmente, aqueles que achavam que a raiz de todos os seus problemas resultou de covardia simples atirou-se na tribo da Audácia, a facção dos corajosos e fortes.

Nascida em uma família da Abnegação, Beatrice tem vivido sua vida tentando defender os ideais de seus pais. Apenas é permitido olhar no espelho uma vez por ano, e usar roupas  mais simples, Beatrice tem que se esforça para ser tão gentil como sua mãe, tão calma quanto seu irmão mais velho e, como boa funcionária como seu pai. Mas Beatrice sempre soube que ela é diferente, e ela não pertence a Abnegação. Melancolicamente observando as crianças nascidas da Audácia, como elas saltam com desenvoltura no caminho para a escola, Beatrice luta com suas emoções, porque com 16 anos de idade, seu teste de aptidão e de escolher uma facção chegou. Os resultados dos testes de Beatrice, no entanto, não são conclusivos. Acontece que ela faz parte de um subconjunto muito raro da população: a divergente. Seus testes mostram que ela não cai perfeitamente em uma das facções predefinidas, mas apresenta traços dominantes no Erudição, Abnegação, e Audácia. Quando o seu tempo para escolher chega, ela segue seu coração e escolhe ser egoísta, mas corajosa, abandonando sua família e escolher Audácia. Enquanto a mudança de clãs em si leva confiança para Beatrice, ela logo descobre que ser iniciado na facção, vai demorar muito mais do que uma simples escolha. Com apenas dez pontos disponíveis e mais que o dobro do número de candidatos, Beatrice se esforça para fazer o seu caminho em um ensaio de iniciação cruel e descobre não só sobre ela, mas o que realmente significa ser um divergente.


    "Abro os olhos e lanço meu braço para a esquerda. O sangue pinga no carpete, entre os dois recipientes. Depois, com um suspiro que não consigo conter, lanço meu braço para a frente, e meu sangue faz as brasas chiarem. Sou egoísta. Sou corajosa." Pág. 53

Quando ela entra a Audácia, uma facção conhecida por sua ousadia e bravura, ao longo do caminho, ela descobre um monte de segredos sobre a sociedade que vive e as pessoas com quem interage. Ela também aprende mais sobre os segredos de sua própria família, alguns dos quais têm sido profundamente enterrados.


"Essa não é a primeira vez que eu traio os ensinamentos de minha família desde que chegue, mas, por algum motivo, sinto como se fosse. Em todas as outras vezes, eu soube o que deveria fazer, mas optei por não fazê-lo. Desta vez, não sabia o que fazer. Será perdi a habilidade de reconhecer o que as pessoas precisam? Será que eu perdi parte de mim mesma?’’ Pág 284.

Tris é forçada a fazer uma escolha que um monte de jovens tem que enfrentar em algum momento de suas vidas. Mas em vez de simplesmente sair de casa e  manter os laços familiares, Tris é forçada a construir uma nova família e comunidade, porque o contato com as famílias não é encorajado quando as pessoas escolhem as suas facções. Jogada em um programa de treinamento de tiro com outros jovens, ela também é forçada a viver situações sociais complexas e eventos, e ela se esforça para encontrar o equilíbrio e estabelecer seu próprio nicho no mundo.

Ela também percebe que suas qualidades e características podem salva-la, e que ela pode ser a chave para quebrar estruturas sociais e mudar a maneira como as pessoas se envolvem com ela. As facções estão agitando uns contra os outros para ganhar mais de uma posição, e Tris começa a aprender que ela pode estar mais envolvida nisso do que ela quer estar. Junto com outros jovens em formação, ela está sendo doutrinadas nas crenças da facção Audácia, mas ela também é atormentada pela dúvida, não apenas por causa de suas próprias experiências, mas como resultado da interação com transferências de Audácia para outras facções. Parece que apesar dos melhores esforços da sociedade para atribuir identidade a todos, os seres humanos são humanos afinal e vão resistir a ser categorizados.

O que destaca esse livro não é tanto o enredo, mas a prosa, é realmente muito bem escrito. A autora tem uma maneira fascinante de brincar com as palavras e o cenário do livro é inesperadamente exuberante e vívido. Ela é particularmente hábil em captar pequenas vinhetas no texto, imbuindo cenas de significado para torná-los mais profunda, mais rica e mais intensa para o leitor.
Sua delicada, escrita graciosa captura a intensidade do que Tris perdura de forma muito sutil. Este é um livro que pode ser lido várias vezes, porque cada vez que você o faz, você percebe mais pequenos detalhes no texto. Vislumbres do passado e do futuro de Tris e as atitudes das pessoas ao seu redor.


"Eu nunca havia entendido por que as pessoas andavam de mãos dadas, mas quando ele acaricia a palma da minha mão com a ponta do dedo, eu estremeço e entendo imediatamente." Pág 347.

Divergente me pegou de surpresa, não consegui parar de ler, o livro inteiro é cheio de ação com um romance bacana, engraçado, e tem comentários sarcásticos. É um excelente livro para aqueles que amam Jogos Vorazes. Há uma abundância de reviravoltas que te mantém tentando adivinhar os novos obstáculos a serem superados ao longo de todo o livro. Minha sugestão: leia agora! Recomendo a todos!


4 comentários:

  1. Nossa eu não sei o que falta pra mim criar vergonha na cara e comprar esse livro. Na verdade eu sei, é dinheiro .. kkkk ... já faz um tempão que estou querendo este livro, mas acho que a fila de leitura não vem me ajudando a comprar nada ultimamente tbm. Que bom que gostou do livro, aposto que eu iria gostar tbm!

    xoxo
    http://amigadaleitora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Divergente
    é minha distopia preferida <3
    ótima resenha :D

    ResponderExcluir
  3. eu tenho esse livro aqui em casa, mas ainda não li, porque quero esperar todos lançarem, haha vai que eu amo né? aí 300 anos pra lançar o próximo ):
    beijos

    Livro de Capa Dura

    ResponderExcluir
  4. Oi Michelle,
    Dei o box em inglês para o meu primo mas ainda não li. Estou morrendo de vontade e como amei jogos vorazes, vou amar esse também. Está na lista dos desejados.
    bjs

    http://entrepaginasesonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...