Blogger Widgets

[Resenha #296] Prodigy - Marie Lu @editoraprumo


Título: Prodigy.
Autora: Marie Lu
Editora: Prumo
Nº de páginas: 304
skoob
Classificação: 5 estrelas
Compre: Submarino

Sinopse:
Depois que um cataclismo atingiu o planeta Terra, extinguindo continentes inteiros, os Estados Unidos se dividiram em duas nações em guerra: a República da América, a oeste, e as Colônias, formadas pelo que restou da costa leste da América do Norte. June e Day, a menina prodígio e o criminoso mais procurado da República, já estiveram em lados opostos uma vez.
Agora eles têm a oportunidade de lutar lado a lado contra o controle e a tirania da República e, assim, alterar para sempre o rumo da guerra entre as duas nações. Resta saber se estão preparados para pagar o preço que as transformações exigirão deles.

Clique aqui : Leia aqui a resenha de Legend.
Resenha:

 
Prodigy começa logo após os acontecimentos do final de Legend. June e Day estão em fuga da República como criminosos procurados e escapam de trem para Las Vegas onde esperam encontrar-se com os aliados Patriotas e encontrar uma forma de resgatar o irmãozinho de Day, Éden de seus captores na República. June deixou sua vida cheia de privilégios e status para trás por ter resgatado Day da prisão e fugido com ele. Day e June estão cheios de feridas físicas e emocionais dos eventos de Legend, mas eles quase não têm tempo para descansar e refletir antes de serem sugados por intrigas políticas ainda mais perigosas. Desta vez, os Patriotas têm planos para a dupla dinâmica, e como eles não tem opções, eles não têm escolha a não ser confiar neles e se jogar em seu plano.




O primeiro eleitor recentemente morreu e seu filho Anden tomou seu lugar. E os Patriotas querem que June mate Anden, o novo Eleitor. June hesita, mas concorda com o plano, e é forçada a voltar para trás das linhas inimigas e é jogada de volta nos braços da República como agente duplo, na esperança de matar o eleitor e começar uma rebelião contra a República, porém, como os dois amantes são mantidos longe um do outro, sua relação é testada. A missão de June é ganhar a confiança do eleitor, e isso a qualquer custo, mesmo que isso signifique roubar seu coração. Mas com a convivência com Anden, June começa a duvidar das intenções de Razor e quem está dizendo a verdade? Quem são seus verdadeiros inimigos? Até que ponto a corrupção na República irá, e onde isso vai parar? Recebemos algumas respostas para essas perguntas em Prodigy, mas somos também deixados com muitas mais perguntas, no final do livro.

Prodigy é um livro muito melhor do que Legend. Temos a mesma astúcia destes dois jovens personagens que fizeram o primeiro livro tão fascinante e ação ainda mais emocionante. As personalidades de Day e June são ainda mais aprofundadas neste livro, e nós temos uma melhor visão de seus sentimentos. Nossa imagem da República e as colônias se expandem maravilhosamente em um mundo realista e bem desenvolvido, para fazer uma história mais intensa e realista.

June e Day são personagens fantásticos, eles são corajosos, de bom coração, inteligentes, e eles têm uma química incrível. Mas eles também têm problemas de relacionamento sério, e são separados na maior parte do livro, enquanto eles tentam seguir sua missão. Eles são de mundos diferentes, e encontram dificuldades para se relacionar um com o outro, mas no fundo se amam. Eu me senti muito mais ligado a June, em Prodigy do que em Legend, e eu fico torcendo para que ela encontre sua felicidade. Neste livro, seu romance não é uma parte central da trama, mas é agradavelmente presente e é enfatizada nos lugares apropriados. Os dois formam uma equipe maravilhosa, e se isso não ficou evidente no primeiro livro, então ele certamente é agora.

Tess evolui maravilhosamente nesta sequência, de garota tímida em Legend, para uma mulher auto-suficiente e confiante em Prodigy. Ela desafia Day de muitas maneiras neste livro, fazendo-o questionar seus sentimentos por June, e seus próprios sentimentos reprimidos sobre as mortes da mãe e do irmão.Já Thomas é um personagem que eu não tinha um pingo de simpatia, mas Marie Lu encontrou uma maneira de fazer-me preocupar com ele, e agora até sinto pena dele. Uma façanha, depois das coisas que ele já fez.

A ação em Legend foi emocionante, mas em Prodidy é ainda maior. Marie Lu escreve com estilo cinematográfico que é particularmente eficaz durante as cenas complexas de tensão e perigo, é de roer as unhas. Marie Lu nos leva através de uma série de acontecimentos imprevisíveis que mostram que uma sociedade repressiva não é sempre preto no branco, que aqueles que a princípio parecem repugnantes, ou justos, podem surpreendê-lo. Prodigy é um equilíbrio fantástico entre uma trama envolvente e complexa, com personagens fascinantes.




A capa continua muito bonita, e todo o trabalho da editora está muito bom.

Prodigy é uma sequência que excede e muito o seu excelente antecessor, e abre caminho para um final notável. Eu recomendo a série Legend para os fãs de distopia, leitores que amam romances pós-apocalíptico e aqueles que estão à procura de uma leitura que te prenda a atenção até o fim. Agora, estou ainda mais ansiosa para ler o último livro da série.


0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...