Blogger Widgets

[Resenha #1229] Enclausurado - Ian McEwan @cialetras


Enclausurado
Ian McEwan
ISBN-13: 9788535928013
ISBN-10: 8535928014
Ano: 2016
Páginas: 200
Editora: Companhia das Letras
Skoob
Classificação: 4 estrelas
Compre: Amazon

Sinopse:
O narrador deste livro é nada menos do que um feto. Enclausurado na barriga da mãe, ele escuta os planos da progenitora para, em conluio com seu amante — que é também tio do bebê —, assassinar o marido. Apesar do eco evidente nas tragédias de Shakespeare, este livro de McEwan é uma joia do humor e da narrativa fantástica. Em sua aparente simplicidade, Enclausurado é uma amostra sintética e divertida do impressionante domínio narrativo de McEwan, um dos maiores escritores da atualidade.



Resenha:

Hey, folks! Aqui estamos para falar de Enclausurado. Quando li a sinopse deste livro fiquei logo curiosa, afinal, não é todo dia que encontra-se um feto como narrador de uma trama. Enclausurado tem uma influência shakespeariana, tratando-se de uma releitura de Hamlet.

Sim, isso mesmo, o narrador é um feto. Esse pequeno ser, ainda abrigado no ventre de sua progenitora, é não apenas dotado de uma esperteza sem precedentes, como também é um espectador dos planos de assassinato de seu pai.

"Deus disse: que seja feita a dor. E depois se fez a poesia."

"Mas até eu sei que o amor não se deixa guiar pela lógica nem o poder é distribuído igualmente."

A mãe do feto, Trudy, tem um caso com o cunhado, Claude. O pai do bebê, John Cairncross, é um poeta em decadência que possui uma casa no valor de sete milhões de libras esterlinas. É esse o incentivo por trás dos planos maléficos de Trudy e Claude, que planejam matar o pai do bebê e ficar com uns milhões no processo. 

"Vingança: o impulso é instintivo, poderoso – e desculpável. Insultado, enganado, ferido, ninguém pode resistir à atração de um pensamento vingativo. [...] o impulso, a intenção sonhadora são humanos, normais, e devíamos nos perdoar."

"No momento da deslumbrante chegada ao mundo, ninguém exclama: É uma pessoa! Em vez disso é: É uma menina, É um menino. Dois sexos apenas. Fiquei desapontado. Se os corpos, as mentes e os destinos humanos são tão complexos, se temos mais liberdade do que qualquer outro mamífero, por que limitar o espectro de possibilidades?"

Bem, durante o livro somos apresentados à forma nada convencional de um feto de ver o mundo. Ao mesmo tempo que este tem eloquência para discutir assuntos acerca da geopolítica, também vive em constante desentendimento com a natureza da situação em que vive, como por exemplo, estar sujeito ao contato indireto com o seu tio Claude durante os momentos de prazer dele com sua mãe. Assim, o autor insere na narrativa o suspense acerca de um crime e situações que, quando narradas por um feto, se tornam hilárias e inusitadas.
Ao longo história, o feto como um excêntrico narrador, desenvolve um perfil narrativo que vai de acordo com o que absorve ao seu redor. Assim, quem são seus parentes e a personalidade deles é algo construído mais com as expectativas de um feto que com a realidade. Ele venera a mãe, mesmo que esta seja completamente negligente com a gravidez e nem mesmo pense em ficar com o bebê, repudia o tio e idealiza o pai. 

Assim, o leitor passa o livro inteiro curioso para saber se o plano dos amantes vai ser bem sucedido, porém, nem o suspense foi suficiente para me prender na história. Sim, a premissa da obra é interessante e a escrita do autor é muito boa, no entanto não me convenceu. No mais, o que posso falar desta obra do Ian McEwan é que ela possui uma trama inteligente; o autor tem destreza e originalidade, afinal, não é fácil contar uma história do ponto de vista de um feto, visto que esse faz parte da história, mas não ativamente.
Enfim, ainda que não tenha me identificado com Enclausurado, dou um voto de confiança ao autor. A Companhia das Letras fez um ótimo trabalho com a edição, adorei a capa.

"Ainda está para nascer um narrador como este."


0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...